Análise Arquetípica de Dados

Esse e um post antigo do Engaging Market Research, no qual é apresentada a Análise Arquetípica de Dados; que é um estudo sobre bases de dados nas quais os clientes são segmentados de forma que suas características de caráter quantitativos e qualitativos sejam misturadas para fins de maximizar a similaridade intracluster, e possibilitar que esses grupos de clientes sejam, portanto, mais homogêneos.

Esses estudos aplicados ao Marketing e principalmente ao Customer Relationship Management (CRM) dão os responsáveis desses departamentos um raio X sobre as características de seus clientes, e consequentemente subsidiam as estratégias para retenção ou captação de novos clientes, de forma a não somente separar os clientes nos clusters; mas também provisionar uma estratégia de massa que tenha impacto em aspectos particulares desses clientes,  por exemplo campanhas de target-marketing dirigidas a preferências pessoais com alto potencial de RFM como preferência de time de preferência, experiências gastronômicas, entre outros.

 

Análise Arquetípica de Dados

A Mineração de Dados e a Degradação da Democracia

Esse artigo explica o que está por trás das estratégias de target marketing dos presidenciáveis dos Estados Unidos; e algumas desvantagens relativas ao uso de dados pessoais para mapeamento de delineamento de estratégias de campanha.

A Mineração de Dados e a Degradação da Democracia

O Atirador de Aurora em Perspectiva

Alguns atrás dias postamos algo a respeito desse assunto, indicando que com uma seleção de variáveis simples; e posterior análises o atirador de Aurora poderia ter sido facilmente identificado sob a perspectiva da mineração de dados.

Nessa entrevista do Robert L. Mitchell na qual ele chama um dos ícones da mineração de dados o Dean Abbott (autor do bom artigo An Evaluation of High-end Data Mining Tools for Fraud Detection) o qual o mesmo dá a seguinte declaração:

“While it certainly was the case here that [the shooter] purchased a lot of stuff and that there didn’t appear to be a good, law-abiding reason for him to purchase the gear, it is unclear if his pattern of purchases is unusual”  when examined in the context of the purchases of hundreds of millions of other citizens, he says.  For example, given the universe of more than 400 million people, it might very well be possible that 20,000 people made similar volumes of purchases in the same time period. But how many of those are exhibiting risky behavior?

Não tirando o mérito e tudo o que o Dean já fez pela mineração de dados, mas pegar um especialista em target marketing e projetos ligados à área comercial para tratar de um tema altamente criminal não parece ser algo inteligente, ou bem intencionado quando para se colocar a mineração de dados à mesa.

Há no mínimo três fontes primárias no assunto que são os livros Investigative Data Mining for Security and Criminal Detection do Jesus Mena, Data Mining and Predictive Analysis: Intelligence Gathering and Crime Analysis do Colleen McCue e o Data Mining for Intelligence, Fraud & Criminal Detection: Advanced Analytics & Information Sharing Technologies do Christopher Westphal.

Esses livros (que já estão na fila para serem resenhados aqui no site) tratam exatamente desse tema, dentro de uma perspectiva constitucional para tomada de decisão, seja do poder legislativo com modificações nas leis; seja na esfera executiva/policial com vigilância e prevenção.

Aqui no Brasil uma ótima apresentação foi realizada por André Cavalcante Hora e Zilton Cordeiro Junior sob o acompanhamento do professor Wagner Meira Júnior; no qual os autores utilizaram regras de associação no WEKA para descobrir regras para auxiliar na formulação de políticas e estratégias de policiamento. Até mesmo chegamos a formular uma base de teste chamadas Crimes, na qual é um pequeno mock-up baseado no projeto dos alunos citados.

A mineração de dados pode auxiliar na tomada de decisões relacionadas à esfera criminal e negar isso mostra não só desconhecimento, mas total ignorância com os recursos dessas técnicas que vem crescendo mais e mais ao redor do mundo.

O Atirador de Aurora em Perspectiva

A mineração de dados como nova ferramenta para as eleições americanas

A matéria da Dawn mostra que grande parte da porcentagem de votos do próximo Presidente dos Estados Unidos da América terá na mineração de dados uma forma de 1) angariar recursos de campanha, 2) realizar prospecções de potenciais doadores, 3) mobilizar nichos de usuários na rede em prol da militância sobre um determinado candidato, e 4) alinhamento de discurso sobre em qual o candidato irá adotar em determinada região do país.

 Esse domínio eleitoral, está se estabelecendo a passos largos e essa eleição nos EUA será algo como o batismo de fogo, onde; na mesma forma em que as mídias sociais foram na eleição do Presidente Obama a 4 anos; no qual o paradigma mudou nesse meio tempo no qual se antes a necessidade era saber onde os eleitores se mobilizavam, hoje a necessidade é saber o que esses eleitores pensam e realizar o micro-targeting de acordo com os seus pensamentos e comportamentos na esfera digital. Essas informações são de grande importância em relação a campanha; pois, dependendo do potencial de eleitores pode-se angariar mais recursos de patrocinadores, ou mesmo para elaboração de campanhas do tipo corpo a corpo na qual o candidado pode tanto fortalecer a sua base eleitoral nos lugares em que tem vantagem, ou mesmo fazer prospecção de novos votos em bases na qual não é tão forte eleitoralmente.

 O candidato Mitt Romney já investiu cerca de 60% a mais que Barack Hussein Obama e as pesquisas apontam hoje um empate técnico entre os dois, mesmo com o segundo candidato ter o apoio da máquina estatal a seu favor; o que mostra esse método até então tem uma eficácia bastante significativa.

A mineração de dados como nova ferramenta para as eleições americanas