Agências americanas em conflito devido a programas de mineração de dados

Um assunto muito sério, que se não tratado de maneira sóbria por parte dos legisladores americanos, pode afetar e muito a vida dos usuários da web.

Agências americanas em conflito devido a programas de mineração de dados

O real perigo da privacidade não é a mineração de dados das grandes corporações ou a vigilância governamental, mas sim ambos

Entre os posts que saem na grande mídia, provavelmente essa é a opinião mais fundamentada e que tem uma maior visão sobre a questão da privacidade e a mineração de dados, na qual faz a relação entre o que as grandes empresas sabem sobre nós, a vigilância governamental; e como essas organizações estão intrinsecamente ligadas e porque isso é uma ameaça a privacidade como um todo.

O artigo inicia com uma declaração na qual para quem realiza mineração de dados pode ser trivial, mas para pessoas comuns chega a ser assustador em termos de como corporações tem total conhecimento dos nossos dados pessoais:

It is said that a Visa executive – as in Visa, the credit card system – can predict your divorce one year ahead of yourself, based on your buying habits. There’s a recent telling anecdote where Target, the chain of stores, knew that a teenage woman was pregnant before her parents knew. If our purchase habits give away our life and privacy to this degree – imagine what Google or Facebook would be able to predict, if they wanted to?

Sob o aspecto governamental, como já foi postado anteriormente sobre a TIA (Total Information Awareness) na qual após uma parceria entre a Google e a CIA (Uma típica parceria publico privada) esse programa foi estranhamente colocado na geladeira pelo governo americano.

Esse quote mostra bem sobre o que o governo é capaz de fazer com as suas informações:

So let’s instead jump to what governments can do. Many enough countries now have blanket wiretapping laws in place that let them wiretap all their own citizens’ net traffic, all other citizens’ traffic, or both. (This would have been absolutely unthinkable just a decade ago.) Additionally, the security services generally share raw data between them – so just because you’re not tapped in your home country, that doesn’t mean your local security service doesn’t have a copy of everything you’ve ever typed or sent online; it can be tapped anywhere.

Governments are not only able to knock down your door when you behave in a way they don’t approve of. They even like doing exactly that, and see it as their job. This is something of a problem, and quite a severe one.

 

Dentro dessa abordagem que o autor propõe, cabe ressaltar que em alguns anos haverá a necessidade de uma regulação a respeito da aquisição/controle/comercialização das informações pelas empresas bem como maiores controles por parte do setor governamental. A discussão é boa e o artigo coloca um interessante ponto de vista. Vale a leitura.

O real perigo da privacidade não é a mineração de dados das grandes corporações ou a vigilância governamental, mas sim ambos

Mineração de Dados e a Ditadura da Democracia no Reino Unido

Mais uma tentativa de governantes que querem utilizar a mineração de dados para realizar monitoramento e vigilância na vida das pessoas; no qual através de dispositivos que capturam os pacotes de dados que contém informações como, por exemplo, trocas de e-mails, comunicações telefônicas entre outros; querem realizar o cerceamento das liberdades individuais.

Mineração de Dados e a Ditadura da Democracia no Reino Unido

Dados Abertos e Mineração de Dados

Uma das melhores iniciativas governamentais que tem se tornado uma forte tendência nos últimos tempos é a abertura de dados públicos, ou Open Data.

Os dados abertos além de representar transparência dos governantes; pode engajar cidadãos a colaborarem com iniciativas criativas para os problemas de sua comunidade através do estudo desses dados; além de enquadrar-se totalmente no conceito de governo eletrônico no qual o governo não somente será receptador de dados dos cidadãos, mas também será provedor de dados e informações para aumentar a transparência e melhorar a democracia de uma forma mais participativa.

Dados Abertos e Mineração de Dados

Governo Eletrônico e Mineração de Dados

Apesar do viés para soluções da IBM esse artigo não deixa de ser uma boa fonte de informação sobre como soluções de mineração de dados podem ser incluídas em um planejamento de estruturação de Governo Eletrônico. O artigo mostra também as dificuldades de lidar com diversas fontes de informações, muitas das vezes com limitações e dados não-estruturados.

Governo Eletrônico e Mineração de Dados

Identificação de Pacientes com Hipertensão: Um caso de auditoria em Registros Médicos Eletrônicos

Este artigo da Health Information Management escrito por  Adam Baus, Michael Hendryx, e Cecil Pollard coloca em plano o estudo relacionado a utilização de dados médicos para análise e descoberta de conhecimento sobre pacientes com hipertensão.

O estudo mostra de maneira muito estruturada a forma em que os pesquisadores realizaram todo o processo de KDD (Knowledge Discovery in Databases – Descoberta de Conhecimento em Bases de Dados) através do Data Gathering, tratamento e cleasing de informações, análise,  resultados e discussão. Em si o artigo não apresenta muitos termos técnicos em mineração de dados, mas coloca em perspectiva o método que é bastante interessante para projetos desse domínio.

Em geral, pensando em projeto de mineração de dados para instituições públicas que poderia utilizar esse domínio (Ministério da Saúde, Secretarias Estaduais e Municipais de Saúde, Hospitais e outros) o artigo é bem completo nesse sentido, não só pelos ótimos resultados encontrados, mas também pelo fato de elencar as principais dificuldades encontradas nesse tipo de projeto.

Identificação de Pacientes com Hipertensão: Um caso de auditoria em Registros Médicos Eletrônicos

Mineração de Dados aplicada ao mapeamento demográfico urbano

Um dos projetos que na qual modelei um domínio para políticas públicas é relacionado com o mapeamento demográfico urbano nas grandes cidades, e tem como finalidade apresentar ao poder executivo das cidades e municípios formas de como formularem os seus planos diretores não somente baseados em aspectos políticos; mas também considerando aspectos técnicos relacionado a dinâmica de populações urbanas (razão entre o espaço urbano em relação a quantidade de pessoas que habitam/transitam em um determinado espaço) uso do solo, e  correlação entre o impacto das populações no meio urbano.

Essa reportagem da Folha, expõe o problema da verticalização o bairro de Pinheiros. Apesar da forma despretenciosa na qual a noticia foi formulada, expõe de maneira catedrática o problema na definição de um plano diretor eficiente.

No momento em que há a definição de um plano diretor, além de aspectos políticos e urbanísticos; deve ser levado em conta todo entorno de atividades atuais e potênciais, no qual quando não há essa consideração há situações como a da reportagem em anexo: O que é legal nas formas da lei, não representa necessariamente a situação ideal para o espaço urbano.

A mineração de dados poderia auxiliar na formulação dessas políticas poderiam se dar da seguinte forma:

  • Classificação do volume de tráfego;
  • Agrupamento de Demográfico para verificação do uso do solo;
  • Agrupamento demográfico das populações para formulação de políticas relacionadas ao pagamento de taxas adicionais de serviços públicos.

Toda essa questão de mapeamento que em um determinado momento pode parecer uma questão trivial, na verdade esconde uma questão muito complexa que é de que se há mais pessoas, há mais uso do solo, há mais consumo de recursos urbanos na área (asfalto, esgoto, energia, etc), e há mais tráfego de pessoas/veículos. 

A mineração de dados pode auxiliar na resposta para estas questões relacionadas ao planejamento urbano; mas claro que isso passa obrigatoriamente por incentivos políticos e administrativos, em todo o caso é um domínio interessante de aplicação das técnicas.

Mineração de Dados aplicada ao mapeamento demográfico urbano

Administração Obama libera dados de agências governamentais para Mineração de Dados

Um dos acertos da administração Obama está no fato de a Casa Branca abrir os dados governamentais de algumas agências para pesquisadores levantarem dados pertinentes para análise do Governo para auxiliar na tomada de decisões como defesa, saúde, meio ambiente entre outros. Sem dúvidas é um grande passo para a consolidação do conceito de e-Government; o qual quebra diversos paradigmas em ao invés de usar métodos pouco produtivos (como análises conjecturais entre administradores e afins) de análise; através do mapeamento de um domínio, realizar toda a parte de análise sobre dados concretos e atualizados.

Big Data Press Release

Big Data Fact Sheet

Administração Obama libera dados de agências governamentais para Mineração de Dados