Matching e o uso de regressões para análise do efeito de um tratamento

Um dos assuntos mais espinhosos quando falamos de estatística para realizar estimativas de populações com características diferentes é o Matching.

Para quem não sabe, o Matching é basicamente uma técnica para comparação observacional entre um grupo de controle e um grupo de tratamento para cada observação espcífica dos dois grupos (i.e. para cada membro do grupo de tratamento, será feita uma estimativa em paralelo com um membro do grupo de controle e observará as diferenças nas estimativas) em que o objetivo principal é atestar os efeitos do tratamento considerando características dos dados observados, isolando ou realizando a análise considerando as diferenças entre as covariáveis.

Um exemplo de aplicação é dado no trabalho do IPEA em que há estimativas das populações pobres e indigentes, em que no estudo é realizado o mapeamento das características socioeconômicas similares do conjunto de familias participantes.

Neste post o Matt Bogard ele faz algumas considerações sobre a regressão como uma variância baseada em pesos (dos estimadores) poderados em relação a uma indicação de efeito no tratamento. 

Hence, regression gives us a variance based weighted average treatment effect, whereas matching provides a distribution weighted average treatment effect.

So what does this mean in practical terms? Angrist and Piscke explain that regression puts more weight on covariate cells where the conditional variance of treatment status is the greatest, or where there are an equal number of treated and control units. They state that differences matter little when the variation of δx is minimal across covariate combinations.

In his post The cardinal sin of matching, Chris Blattman puts it this way:

“For causal inference, the most important difference between regression and matching is what observations count the most. A regression tries to minimize the squared errors, so observations on the margins get a lot of weight. Matching puts the emphasis on observations that have similar X’s, and so those observations on the margin might get no weight at all….Matching might make sense if there are observations in your data that have no business being compared to one another, and in that way produce a better estimate”

 

We can see that those in the treatment group tend to have higher outcome values so a straight comparison between treatment and controls will overestimate treatment effects due to selection bias:

E[Y­­­i|di=1] – E[Y­­­i|di=0] =E[Y1i-Y0i] +{E[Y0i|di=1] – E[Y0i|di=0]}

However, if we estimate differences based on an exact matching scheme, we get a much smaller estimate of .67. If we run a regression using all of the data we get .75. If we consider 3.78 to be biased upward then both matching and regression have significantly reduced it, and depending on the application the difference between .67 and .75 may not be of great consequence. Of course if we run the regression including only matched variables, we get exactly the same results. (see R code below). This is not so different than the method of trimming based on propensity scores suggested in Angrist and Pischke.

Anúncios
Matching e o uso de regressões para análise do efeito de um tratamento

Deixe o seu comentário inteligente e educado! :o)

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s