Replicação em Pesquisa Acadêmica em Mineração de Dados

Lendo este post do John Taylor sobre a replicação da pesquisa econômica publicada até em journals de alto impacto lembrei de uma prática bem comum em revistas acadêmicas da área de Engenharia de Produção e Mineração de Dados que é a irreprodutibilidade dos artigos publicados.

Essa irreprodutibilidade se dá na forma em que se conseguem os resultados, em especial, de técnicas como Clustering, Regras de Associação, e principalmente Redes Neurais.

Um trabalho acadêmico/técnico/experimental que não pode ser reproduzido é a priori 1) metodologicamente fraco, e 2) pessimamente revisado. Trabalhos com essas características tem tanto suporte para o conhecimento como a chamada evidência anedótica.

Depois de ler mais de 150 papers em 2012 (e rumo aos 300 em 2013) a estrutura não muda:

  • Introdução;
  • Revisão Bibliográfica;
  • Aplicação da Técnica;
  • Resultados; e
  • Discussão na qual fala que teve  ganho de 90% em redes neurais.

Há um check-list bem interessante para analisar um artigo acadêmico com um péssimo DOE, e mal fundamentado metologicamente:

Artigos de Clustering 

  • Qual foi o tamanho da amostra?;
  • Qual é o tamanho mínimo da amostra dentro da população estimada?
  • Foram realizados testes estatísticos sobre a população como teste-Z ou ANOVA?
  • Qual é o P-Valor?
  • Qual foi a técnica para a determinação da separação dos clusters?
  • Quais os parâmetros foram usados para a clusterização?
  • Porque foi escolhido o algoritmo Z?

Artigos de Regras de Associação

  • Qual foi o suporte mínimo?
  • Qual é o tamanho da amostra e o quanto ela é representativa estatisticamente de acordo com a população?
  • O quanto o SUPORTE representa a POPULAÇÃO dentro do seu estudo?
  • Como foi realizado o prunning as regras acionáveis?
  • A amostra é generalizável? Porque não foi realizado o experimento em TODA a população?

Redes Neurais

  • Qual é a arquitetura da rede?
  • Porque foi utilizada a função de ativação Tangente e não a Hiperbólica (ou vice-versa)?
  • A função de ativação é adequada para os dados que estão sendo estudados? Como foi feito o pré-processamento e a discretização dos dados?
  • Porque foi escolhida o número de camadas internas?
  • Tem taxa de aprendizado? Qual foi e porque foi determinada essa taxa?
  • Tem decaímento (Decay)? Porque?
  • E o momentum? Foi utilizado? Com quais parâmetros?
  • Qual estrutura de custos está vinculada nos resultados? Qual foi a quantidade de erros tipo I e II que foram realizados pela rede?
  • E o número de épocas? Como foi determinada e em qual momento a rede deixou de convergir? Você acha que é um erro mínimo global ou local? Como você explica isso no resultado do artigo

Pode parecer algo como o desconstrucionismo acadêmico fantasiado de exame crítico em um primeiro momento mas para quem vive em um meio no qual estudos mais do que fraudulentos são pintados como revolucionários é um recurso como um escudo contra besteiras (Bullshit Shield).

Em suma, com 50% das respostas das perguntas acima o risco de ser um paper ruim com resultados do tipo “caixa-preta” já caí para 10% e aí entra o verdadeiro trabalho de análise para a reprodução do artigo.

Abaixo um vídeo bem interessante sobre papers que nada mais passam de evidência anedótica.

Replicação em Pesquisa Acadêmica em Mineração de Dados

2 comentários sobre “Replicação em Pesquisa Acadêmica em Mineração de Dados

Deixe o seu comentário inteligente e educado! :o)

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s